TAXAS E TARIFAS BANCÁRIAS DE SEU CARTÃO DE CRÉDITO

O cartão de Crédito pode ser tanto seu amigo como seu inimigo, por meio dele, o emissor (que normalmente é um banco), oferece um limite de crédito ao consumidor para que ele faça pagamentos e compras de bens e serviços. O consumidor deve se manter esperto em questão aos cartões de crédito, pois da mesma maneira que ele pode facilitar sua vida, ele também pode complicar ela. Todas as instituições financeiras do mercado possuem uma margem de juros muito alta, o que faz o Brasil ser campeão em juros sobre cartões de crédito ocupando o 1º Lugar, com uma margem de 473% rotativos segundo os Bancos centrais de Cada País em dezembro de 2017, já em um Ranking nominal o Brasil ocupa o 6º lugar mundialmente. Citaremos neste artigo informativo, as Duas fontes de Juros abusivos em sua Fatura do Cartão de Crédito sendo elas: PAGAMENTO DE CONTAS OU BOLETOS: O pagamento de Contas como (água, Luz e Telefone) foram liberados a serem pagos no cartão de crédito nos últimos anos, mas obviamente que não seria de graça. As instituições financeiras estipularam que ao pagar as contas no cartão de crédito seria sujeito a juros de 2% a 5% ao mês mais tarifas, o que ocasionaria na possibilidade de complicações em quitar a fatura em seu dia de vencimento. PARCELAMENTO DE CONTAS: O parcelamento de sua fatura pode gerar um IOF (imposto sobre operações financeiras) que podem chegar de 0,38% a 3% ou mais juros em sua conta. O IOF não é considerado uma tarifa “Oficial” dos cartões de crédito, onde é aplicado somente quando a fatura é parcelada. Advertimos que os consumidores prestem bem atenção em suas faturas, pois a riscos de estarem sofrendo juros abusivos sem perceber. A melhor maneira se de dar bem com um cartão de crédito, é saber suas próprias condições e limites, programe-se para que o pagamento se sua fatura seja feita no dia do vencimento ou antes, assim não serão acumulados juros sobre juros. Seja Cauteloso e Esperto, procure seus Direitos, você pode sim recorrer se achar que está sendo lesado por instituições financeiras, deixo aqui um trecho do artigo de defesa do consumidor. “O artigo 39, inciso V, do Código de Defesa do Consumidor, Lei nº 8.078, de 1990, diz que é vedado ao fornecedor de produtos ou serviços, dentre outras práticas abusivas, exigir do consumidor vantagem manifestamente excessiva, e o artigo 51, inciso IV, do mesmo Código, diz que são nulas de pleno direito, entre outras, as cláusulas contratuais relativas ao fornecimento de produtos e serviços que estabeleçam obrigações consideradas iníquas, abusivas, que coloquem o consumidor em desvantagem exagerada, ou sejam incompatíveis com a boa-fé ou a equidade. Portanto, vemos que os fornecedores de serviços financeiros (instituições financeiras) não podem exigir dos consumidores juros abusivos, ou seja, juros manifestamente altos demais, e vemos também que são nulas as cláusulas de contratos de mútuo ou financiamento que estabeleçam juros abusivos, ou seja, juros manifestamente altos demais.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *